Notícias | Dia a dia | US Open
Djokovic não sabia se conseguiria terminar o jogo
29/08/2019 às 10h45

Djokovic irá avaliar o ombro esquerdo nesta quinta-feira com especialistas e espera poder estar sem dor no próximo jogo

Foto: Divulgação

Nova York (EUA) - A preocupação sobre o problema no ombro esquerdo de Novak Djokovic, apresentado na vitória por 3 sets a 0 contra o argentino Juan Ignacio Londero na última quarta-feira, não preocupa apenas os fãs, mas também o próprio sérvio, que chegou a duvidar no decorrer da partida se conseguiria continuar jogando até o final.

“Tive dificuldades por causa da lesão durante o jogo, principalmente para sacar e golpear o revés. Para ser honesto, não foi nada fácil jogar com esse tipo de sensação e poucas vezes enfrentei dores assim na minha carreira. Por sorte, consegui encontrar meu caminho e venci em sets diretos”, observou o número 1 do mundo.

“A ajuda do fisioterapeuta nas viradas de lado me ajudou a continuar na partida, pois do jeito que estava na metade do primeiro set, não sei nem se conseguiria terminá-la. Amanhã (quinta-feira) vou avaliar o grau da dor e me consultar com médicos especialistas. Espero estar em condições para jogar sem dor dentro de dois dias”, complementou.

Além de falar sobre a preocupação física, o líder do ranking também elogiou o desempenho do rival argentino, que lutou bravamente do começo ao fim da partida e não deu mole para ‘Nole’. O bom nível mostrado por Londero no confronto não foi surpresa para o sérvio, que já  o tinha visto de perto no Masters 1000 de Cincinnati.

“Não me impressionou apenas hoje, mas também em Cincinnati quando jogou com Roger (Federer). Embora tenha vencido em sets diretos, Londero se mostrou bastante sólido, foi um grande lutador, esteve concentrado e intenso o tempo todo. Além disso, bateu bem na bola de direita e me fez correr muito para conseguir a vitória”, disse o sérvio.

Questionado sobre os Jogos Olímpicos de Tóquio, no próximo ano, Djokovic não escondeu que a busca pelo ouro olímpico é uma das metas para 2020. “Sem dúvida é um dos objetivos mais importantes da minha carreira. É uma conquista que ainda me falta e por isso decidir jogar o ATP 500 de Tóquio neste ano”, finalizou.

Comentários
Faberg
Roland Garros Series