Notícias | Dia a dia | US Open
Federer despacha Goffin e iguala marca de Agassi
01/09/2019 às 14h36

Nova York (EUA) - Freguês do suíço Roger Federer, o belga David Goffin mais uma vez acabou superado pelo atual número 3 do mundo, desta vez nas oitavas de final do US Open. Abrindo a rodada deste domingo no Arthur Ashe Stadium, o tenista da Basileia levou um susto no começo, mas depois se recuperou e dominou as ações, anotando sua nona vitória em 10 jogos contra o rival com o placar de 6/2, 6/2 e 6/0.

Classificado pela 13ª vez para a quartas de final, o suíço iguala assim o norte-americano Andre Agassi na segunda colocação entre os que mais vezes foram tão longe na competição desde a Era Aberta. À frende dos dois está apenas o também norte-americano Jimmy Connors com 17 aparições. Federer espera agora pelo vencedor do duelo entre o búlgaro Grigor Dimitrov e o australiano Alex de Minaur.

Goffin teve um começo promissor de partida, tirando lucro de certa afobação de Federer logo em seu segundo game de serviço, o que deu 2/1 ao belga. No entanto, sua atitude muito passiva custou caro. Não agrediu, insistiu apenas em fazer o suíço trocar bolas e aos poucos foi engolido pelo poder ofensivo do adversário. Em minutos, o placar já tinha virado para 6/2.

Ainda dominante, Federer abriu 3/1 no segundo set e ainda deu uma oportunidade de o belga respirar, cedendo uma quebra com muitos erros não forçados, incluindo dupla falta. Dessa vez, Goffin até tentou sair do fundo, mas falhou num saque-voleio essencial e outra vez entrou num buraco sem volta, perdendo mais quatro games seguidos e o set. Acertou somente 32% do primeiro saque.

A situação só piorou para o belga. Completamente sem recursos, perdeu mais dois games de serviço sem evitar qualquer break-point - foram oito no jogo com 100% de sucesso para o suíço - e tudo que ainda lhe restou foi tentar evitar o 'pneu', outra coisa que também acabou falhando.

A maior virtude do suíço foi ter se mantido fiel à tática imaginada de sufocar o adversário e não deixá-lo à vontade. Mas o belga foi passivo demais: 8 winners apenas contra 34, com 51% de acerto do primeiro saque e somente 40% de sucesso. Ofereceu nove break-points e só salvou um, lá no game decisivo e por erro não forçado do adversário. 

Comentários
Faberg
Roland Garros Series