Notícias | Dia a dia | US Open
Serena: 'Seguiria jogando mesmo com o recorde'
06/09/2019 às 09h57

Nova York (EUA) - Mais uma vez a norte-americana Serena Williams está a uma vitória de igualar o recorde absoluto de Grand Slam da australiana Margaret Court, que soma 24 títulos, um a mais do que a caçula das irmãs Williams. Com uma grande atuação, a ex-número 1 do mundo despachou a ucraniana Elina Svitolina na semifinal e irá disputar o título do US Open na decisão de sábado.

“Esta é uma ótima vitória, poderei disputar mais uma final de Grand Slam. Acho que fui sólida, mas mesmo assim não demonstrei meu melhor tênis. Elina é uma jogadora muito profissional e também poderia ter jogado melhor”, comentou a norte-americana, que destaca sua preparação para o torneio, garantindo que é a melhor dos últimos Slam que disputou nesta temporada.

“Sinto que estou mais bem preparada para esse torneio do que os outros três. Em Wimbledon tive apenas uma semana e mesmo assim foi incrível, na Austrália eu estava bem, mas aí veio o problema no tornozelo, e em Roland Garros eu sequer deveria ter competido”, observou a norte-americana.

Apesar das boas sensações, Serena teve alguns percalços em sua destacada preparação, não podendo competir em Cincinnati depois de sentir uma lesão na final de Toronto. “Infelizmente não consegui, mas tinha em mente que conseguiria ótimos resultados nesse período”, observou a atual número 8 do mundo, que foi vice-campeã do Premier canadense justamente superada na final pela atleta da casa Bianca Andreescu, sua adversária na decisão do US Open.

Questionada sobre a busca pelo recorde de Court, a norte-americana explicou que continua jogando não apenas por causa disso. “Seguiria jogando mesmo que já tivesse superado essa marca, já tive várias oportunidades para vencer mais Grand Slam e as deixei passar”, comentou Serena, que também falou sobre as adversárias mais duras que enfrentou durante sua longa carreira.

“Venus com certeza é uma delas, ganhou a maioria dos Slam em sua época. (Justine) Henin e (Kim) Clijsters também foram geniais e logo depois vem Lindsay (Davenport), outra jogadora incrível e difícil de se enfrentar. (Martina) Hingis também era espetacular e essa lista poderia não terminar nunca porque enfrentei jogadoras excelentes nestes todos anos”, finalizou a ex-número 1.

Comentários
Faberg
Roland Garros Series