Notícias | Dia a dia | US Open
Recorde de Slam e nº 1 não são obsessão para Nadal
09/09/2019 às 11h07

Nova York (EUA) - Cada vez mais perto tanto do retorno à liderança do ranking como do recorde de títulos de Grand Slam, o espanhol Rafael Nadal garante que estes dois feitos não são prioridades, embora reconheça a importância de alcançar qualquer um dos dois. Campeão do US Open no último domingo, ele chegou a 19 títulos de Slam, ficando apenas um atrás do suíço Roger Federer, e também encurtou para 640 pontos a diferença para o sérvio Novak Djokovic na briga pelo número 1.

“Sempre digo o mesmo: gostaria de terminar sendo aquele que mais venceu Grand Slam, mas não penso nisso, não é para isso que treino todos os dias. O tênis é muito mais que apenas os Slam, jogo para ser feliz. Insisto em dizer que se você fica se comparando o tempo todo com o cara do lado para ver se tem mais ou menos então acaba se frustrando”, afirmou o canhoto de Mallorca, que também deixou a disputa pela ponta do ranking como objetivo secundário neste seu momento de carreira.

“Não compito por isso, não é meu objetivo principal, apenas faço o meu caminho e se nele eu puder ser número 1 é genial. Tento ser competitivo nas semanas em que vou jogar. Com minha idade, não posso perder energia e nem tempo pensando no número 1, pois se você fica perseguindo ele pode colocar em risco a saúde e prejudicar a carreira. Claro que se terminar a temporada na liderança será algo incrível”, declarou Nadal.

O espanhol também falou sobre a partida e destacou a força mental que precisou ter para não se abater com a recuperação do russo Daniil Medvedev, que empatou o jogo após estar perdendo por 2 sets a 0. “A forma como se desenrolou esse jogo foi dramática, fazendo com que o dia seja inesquecível. Estou muito feliz, este troféu significa muito para mim, é uma grande satisfação pessoal. Tento contar as emoções, mas foi impossível de fazer isso no final”, disse o número 2.

“As últimas três horas de partida foram muito intensas e duras tanto para o lado mental como para o físico. No final, com o vídeo e a torcida participando foi incrível, tornou o momento muito especial e inesquecível. “Quando você enfrenta um break-point no começo do quinto set vindo de perder os dois últimos é porque está em problemas. Tentei evitar esse tipo de pensamento, sempre acreditei nas minhas possibilidades e assim enfrentei esse momento em que parecia ter pouco controle do jogo”, acrescentou o canhoto de Mallorca.

Questionado sobre o momento de Medvedev e sobre o que o russo pode vir a fazer no futuro, Nadal misturou otimismo pelo tênis demonstrado pelo rival com cautela em relação ao futuro. “Ele tem apenas 23 anos e sua temporada é impressionante. Nesta vida é difícil prever o futuro, mas acredito que possa ser brilhante, acho que poderá ganhar alguns Grand Slam”, finalizou Nadal.

Comentários
Faberg
Roland Garros Series