Notícias | Dia a dia
Murray terá consequências catastróficas, diz médico
22/10/2019 às 14h08

Zurique (Suíça) - Jogando com uma prótese metálica desde a segunda cirurgia pela qual passou para corrigir problemas no quadril, o britânico Andy Murray recebeu um aviso do médico especialista Hannes Rudiger, da Clínica Schulthess, com sede em Zurique. Ele disse que o ex-número 1 do mundo precisa parar de jogar imediatamente para não encarar consequências catastróficas.

Segundo Rudiger, por causa da prótese Murray enfrenta a perspectiva de envenenamento por cobalto no sangue se ele continuar jogando tênis. "Para ser honesto, eu não acreditava que isso seria possível", disse Rudiger em entrevista ao jornal suíço Blick, comentando o retorno do escocês ao circuito profissional.

“Para mim, era uma missão impossível alcançar esse nível com o quadril artificial novamente. Mas Murray também está assumindo um alto risco. A operação é conhecida como 'Birmingham Hip Resurfacing'. Na prótese implantada, duas superfícies metálicas esfregam uma contra a outra. Há dez anos esse método já era usado na Suíça, muitas vezes com consequências catastróficas”, alertou.

Veja mais: Murray se emociona: 'Os últimos anos foram difíceis'
Leia também: Murray dá salto e recupera mais de 100 postos na ATP

O médico afirma que nesse procedimento adotado por Andy as próteses tiveram que ser trocadas muito antes das convencionais e que ela causa maior dano à sustentabilidade do corpo. "Os movimentos de parar e ir são extremamente prejudiciais, tanto mais no nível profissional", observou Rudiger.

“A abrasão das placas pode levar ao envenenamento por cobalto no sangue. Os ossos podem ser atacados e também são possíveis danos nervosos. Já recebi pedidos de intervenções similares, mas não utilizo esse método por princípio e não o recomendo a ninguém”, finalizou o especialista.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis