Notícias | Dia a dia
Felipe lamenta desatenção, mas tira lições positivas
19/02/2020 às 07h00

Felipe Meligeni ainda tem chance nas duplas estreando nesta quarta-feira ao lado de Thiago Monteiro

Foto: Fotojump
Felipe Priante

Rio de Janeiro (RJ) - Com um páreo duríssimo logo em sua estreia no Rio Open, o paulista Felipe Meligeni Alves fez bonito contra o austríaco Dominic Thiem apesar da derrota. Ele deu trabalho e conseguiu tirar um set do atual vice-campeão do Australian Open, mas na reta final acabou se desconcentrando um pouco e virou presa fácil para o número 4 do mundo.

“Tinha que começar muito atendo no terceiro set, mas acabei dando uma relaxada. Quando você começa devagar contra esses caras, não tem como. Ele também aumentou muito a intensidade, sentiu o meu momento. Dei tudo o que podia; infelizmente, ele foi superior”, lamentou o tenista de 21 anos, que saiu contente com o desempenho na partida.

Felipe revelou que não foram fáceis os primeiros pontos por causa do nervosismo. “O primeiro set ele jogou muito bem, eu estava muito nervoso antes de entrar na quadra e foi difícil me acalmar. No segundo ele passou a não jogar tão bem por causa do problema (no joelho) e resolvi usar isso para me motivar e tentar buscar algo”, comentou o paulista.

O apoio da torcida também foi destacado pelo brasileiro. “Realmente foi uma sensação incrível jogar em frente dessa torcida contra um cara que é 4 do mundo, ainda mais ganhando um set dele. Estou feliz com meu desempenho, mas no final eu senti um pouco o lado físico e tive um algumas cãibras”, disse o atual 341 do mundo, que recebeu conselhos do tio Fernando Meligeni antes da partida.

“Ele veio até o vestiário antes do jogo e falou para eu curtir, disse que era uma experiência única, pediu para eu chamar a galera e aproveitar o momento. Depois, ele meu deu parabéns e disse que tudo que consegui fazer em quadra tudo o falamos antes”, contou Felipe, que agora se concentra na disputa da Copa Davis e depois segue para uma sequência de challengers começando por Olímpia.

Depois da série de challengers ele vai voltar para a Espanha para treinar um pouco e descansar antes de encarar nova sequência de torneios. Em busca de um ranking cada vez melhor, Meligeni já tem suas metas para a temporada. “Pretendo jogar um quali de Grand Slam o quanto antes e terminar o ano entre os 150 do mundo”, finalizou.

Comentários
Raquete novo
Mundo Tênis