Notícias | Dia a dia
Recordes de Djokovic são muitos e seguem crescendo
22/05/2020 às 11h18
Felipe Priante

Aniversariante do dia, o sérvio Novak Djokovic não esconde de ninguém que quer marcar seu nome na história do tênis e por isso persegue os recordes. As duas principais marcas na mira do tenista que completa 33 anos nesta sexta-feira são a de títulos de Grand Slam e a de semanas como número 1 do mundo, aparecendo atualmente em terceiro em ambas. Em contrapartida, ele já é o dono de várias marcas expressivas.

Com seus 17 títulos de Grand Slam, seus 34 de Masters 1000 (atrás apenas dos 35 de Rafael Nadal) e 5 ATP Finals, o sérvio é o jogador que mais soma grandes conquistas, alcançando a marca de 56 taças de grande porte. Nadal é o segundo nesta lista com 55 e o suíço Roger Federer é apenas o terceiro com suas 54. Djokovic também é o maior vencedor neste nível em uma só temporada, somando 10 conquistas num mesmo ano.

+ Orgulho sérvio, Djokovic completa 33 anos
+'Especial Goat': já seria Djokovic o novo dono?
+ Djoko faz aniversário e ATP reúne grandes momentos

O sérvio também tem números incríveis quando se recorta apenas uma temporada, como por exemplo o recorde de finais de Masters 1000, chegando na decisão de todos os oito torneios deste porte em 2015. Ele também aparece em segundo nesta lista, alcançando seis finais em 2011 e 2012. Outro número de destaque é o número de vitórias sobre top 10 em um mesmo ano, com recorde de 31 triunfos de Djokovic em 2015, aparecendo em segundo com 24 (em 2012 e 2013), juntamente com Nadal (em 2013).

Apenas a quatro semanas de igualar as 286 de Pete Sampras como número 1 e cada vez mais perto das 310 de Federer, o atual líder do ranking pode empatar o recorde do norte-americano de temporadas finalizadas na ponta. Atualmente, ele, Federer, Nadal e Jimmy Connors estão em segundo, todos com cinco.

Quando o assunto é pontuação no ranking, Djokovic detém três marcas expressivas. É o recordista de diferença entre o primeiro e o segundo no fim do ano, abrindo 7.640 pontos em relação ao britânico Andy Murray em 2015. Na temporada seguinte ele se superou e conseguiu as duas maiores diferenças da história da ATP, primeiro com 8.725 pontos à frente do britânico e mais tarde colocando 9.025 de vantagem sobre Federer.

Foi justamente em 2016 que o sérvio atingiu a maior pontuação já alcançada por qualquer tenista no ranking da ATP. Em 6 de junho daquele ano, ‘Nole’ alcançou incríveis 16.950 pontos. A marca é mais de mil pontos superior ao segundo colocado na lista, Federer e seus 15.903 pontos somados em 20 de novembro de 2006.

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva