Notícias | Dia a dia
Para Raonic, Adria Tour era um 'risco desnecessário'
28/06/2020 às 18h28

Toronto (Canadá) - Diferente de outras estrelas do circuito, Milos Raonic não quis disputar o Adria Tour nas últimas semanas. A polêmica série de exibições promovida por Novak Djokovic, com público nos estádios e poucas medidas de distanciamento, terminou com oito casos de infectados pelo coronavírus, inclusive quatro tenistas. O próprio Djokovic, Grigor Dimitrov, Viktor Troicki e Borna Coric foram diagnosticados com a Covid-19.

Raonic nasceu em Montenegro, mas sua família se mudou para o Canadá quando ele tinha apenas três anos. O jogador de 29 anos conta que jogar o torneio poderia ser a oportunidade de atuar diante de seus familiares, mas que isso também representaria um risco desnecessário à saúde.

+ Com positivo de Djoko, Adria Tour acaba cancelado
+ Troicki e esposa também são infectados pelo vírus
+ 'Ninguém poderia prever surto', diz federação croata

"Eu nunca joguei na frente da maioria dos meus primos", disse Raonic, em entrevista à emissora TSN. "Eu nunca joguei na frente da minha avó, das minhas tias e tios, então considerei isso. Mas, com o US Open pela frente, eu não gostaria de viajar à Europa e voltar. Senti que era um risco desnecessário".

O canadense também não gostou de ver que o evento teve uma série de eventos promocionais, como jantares, festas, clínicas com crianças e jogos de futebol e basquete. "Pessoalmente, eu não me sentiria confortável, especialmente com os eventos promocionais que estavam sendo realizados".

+ Novos exames de Cilic e Rublev dão negativo
+ Djokovic admite o erro em promover aglomerações
+ Torneio de Djokovic não tem máscara, nem restrições

Para o ex-número 3 do mundo e atual 30º colocado, as polêmicas do Adria Tour também enfraquece a posição de Djokovic como presidente do Conselho de Jogadores da ATP. O canadense diz que isso também atrapalha o sérvio nas negociações com o próprio US Open a respeito das condições em que o Grand Slam nova-iorquino será disputado. Recentemente, Djokovic criticou a proposta da USTA de limitar o número de integrantes na equipe de cada tenista. Essa acabou sendo até flexibilizada posteriormente.

"Sei que ele era um daqueles contra a ideia de vir ao US Open e disse que não via como realizar um Grand Slam naquelas condições", apontou Raonic."Acho que após essa série de eventos, esse argumento dele não tem tanto peso. Por outras razões, acho que ele vinha liderando os jogadores de uma maneira positiva, mas nesse exemplo específico que estamos enfrentando agora, levará um pouco de tempo para recuperar a confiança do circuito".

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva