Notícias | Dia a dia
Schwartzman festeja 'maior partida da carreira'
20/09/2020 às 00h17

Schwartzman pode chegar pela primeira vez ao top 10 do ranking, mas terá de ser campeão

Foto: Peter Staples/ATP Tour

Roma (Itália) - Depois de sofrer nove derrotas e ter vencido apenas dois sets, o argentino Diego Schwartzman afirma ter aproveitado as condições favoráveis e encerrou o penoso jejum contra Rafael Nadal. Mais do que isso, foi sua primeira vitória sobre os grandes do tênis, o que o coloca também na semifinal do Masters de Roma e com chance até de chegar ao top 10 do ranking em caso de título na segunda-feira.

"Foi minha maior vitória e a melhor partida que já fiz. Enfrentei os melhores do mundo, as grandes lendas e nunca venci. Então foi minha primeira vez. É triste não ter público aqui, vendo o jogo", comentou. "Havia jogado nove vezes contra ele e em quatro ou cinco tive minhas oportunidades de ganhar", relembra. "Ele voltava depois de sete meses sem competir e eu não vinha jogando bem, mas as condições gerais me favoreciam, com o quique baixo da bola e o jogo mais lento. Me concentrei e acho que foi a chave".

Schwartzman admite estar surpreso com o resultado. "O que aconteceu hoje foi muito grande. Fui mal no US Open, sentia dor na mão esquerda. Aqui tudo melhorou, não precisei tomar remédio. Esse problema me afetava principalmente o backhand, que é meu golpe mais natural. O tênis é louco. Se olhar as partidas que andei fazendo, não pensaria que poderia ganhar de Rafa".

Questionado sobre o final tenso de segundo set, em que desperdiçou uma primeira vantagem importante, o argentino se explicou. "Com 4/3 e saque, cometi um erro. Foram trocadas as bolas e sempre que isso acontece elas quicam mais alto aqui nos primeiros games. Ele se sentiu melhor com isso. Com o 6/5, já era diferente e tentei agarrar minhas chances, não deixar passar. Fui para a rede no match-point sem saber o que aconteceria. Por sorte, acertei o voleio".

Seu adversário na semifinal deste domingo será o canadense Denis Shapovalov, de 21 anos e outro canhoto. Eles nunca se enfrentaram no circuito. "Tudo pode acontecer na semi. Shapovalov é muito diferente de Nadal. Já jogamos juntos nas Bahamas e ele está muito bem. Não terei tempo de festejar muito, preciso logo comer e descansar".

Comentários
Raquete novo
Suzana Silva