Notícias | Dia a dia
Djoko põe títulos de Slam e nº 1 no mesmo patamar
29/10/2020 às 16h04

Viena (Áustria) - Enquanto muitos discutem quais os parâmetros que devem ser usados na discussão sobre quem é o maior de todos os tempos, o sérvio Novak Djokovic também deu sua opinião. Em entrevista ao Sport Klub, o número 1 do mundo foi na segurança e destacou a liderança no ranking e os títulos de Grand Slam, mas sem colocar exatamente um à frente do outro.

“É difícil responder isso. Pelo que vejo, a maioria das pessoas dá mais importância ao número de Grand Slam vencidos e às semanas como número 1, bem como as temporadas terminadas nessa posição. Dentre elas não sei qual escolheria como a mais significativamente, acho que talvez sejam equivalentes”, afirmou o tenista de Belgrado.

“Os Grand Slam são historicamente os torneios mais importantes do nosso esporte, são como vencer um campeonato mundial, só que temos quatro chances por ano. São duas semanas exaustivas em todos os níveis, é o auge do nosso esporte e dá para ver como todos os jogadores se esforçam para vencê-los”, observou o sérvio.

Djokovic também ponderou sobre a liderança no ranking. “Por outro lado, você poderia dizer que um jogador tem uma chance muito maior de ter duas semanas de inspiração jogando o melhor tênis de sua vida durante um Grand Slam do que de manter esse nível de jogo por uma temporada inteira e se tornar o melhor do ranking ATP no final do ano”, disse o sérvio, que tem tudo para fechar 2020 na ponta.

“É por isso que meu principal objetivo é continuar acumulando semanas nessa posição e me tornar o número 1 histórico deste esporte. Considero isso um objetivo supremo porque me obriga a estar no meu melhor nível por muito tempo, não apenas em um torneio”, complementou o líder da ATP, que poderá igualar o recorde do suíço Roger Federer em março do ano que vem.

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva