Notícias | Dia a dia
Garin lesiona o punho e não jogará na Austrália
13/01/2021 às 16h27

Garin pretende voltar ao circuito durante os torneios sul-americanos da ATP

Foto: Fotojump

Delray Beach (EUA) - O chileno Cristian Garin, número 22 do mundo, anunciou na última terça-feira que não irá disputar o Australian Open. Por meio de seu perfil no Istagram, Garin afirmou ter sofrido uma lesão no punho esquerdo na semana e que não teria como se recuperar a tempo do Grand Slam australiano, que começa em 8 de fevereiro.

Um dos fatores que dificultariam o trabalho de recuperação do tenista é o rígido regulamento adotado para conter a transmissão da Covid-19 em território australiano. Com a limitação no número de pessoas que circulam no complexo durante o torneio e a exigência de uma quarentena obrigatória de 14 dias para todos que chegam ao país, o jogador de 24 anos não poderia contar com a presença de um fisioterapeuta particular para tratar da lesão.

"Olá a todos. Estou muito triste de informar que, há uma semana, eu sofri uma queda que me deixou com muita dor no punho esquerdo. Foi muito difícil para jogar nos últimos dias", escreveu Garin. "E dadas as restrições do torneio, que não me permite viajar com meu fisioterapeuta, seria impossível ter uma boa recuperação. Lamentavelmente, não poderei jogar este ano na Austrália, o que é algo muito difícil de aceitar".

Vencedor de quatro torneios da ATP no saibro, com destaque para o Rio Open do ano passado, Garin espera voltar ao circuito durante a temporada sul-americana do circuito. Apesar de o torneio brasileiro não acontecer em sua data habitual e buscar uma recolocação no calendário, estão previstos para a região os ATP 250 de Córdoba, Buenos Aires e Santiago, entre 22 de fevereiro e 14 de março. "Espero voltar em boas condições e com as melhores energias para os torneios sul-americanos".

Com as desistências de Cristian Garin e John Isner após o início de disputas do qualificatório, o torneio já tem dois jogadores que entram na chave como lucky-losers, o boliviano Hugo Dellien e o japonês Taro Daniel.

Comentários
Loja - livros
Suzana Silva