Notícias | Dia a dia
Sharma: 'Avisei ao árbitro do erro, ele não acreditou'
07/04/2021 às 14h57

A australiana Astra Sharma afirma ter comunicado o erro ao árbitro, que não acreditou nela

Foto: Copa Colsanitas/2019

Bogotá (Colômbia) - A confusão causada pelo árbitro de cadeira Luis David Armenta Castro em jogo válido pela primeira rodada do WTA 250 de Bogotá ganhou um novo capítulo nesta quarta-feira. A australiana Astra Sharma, prejudicada pelo erro na marcação do placar, disse que percebeu e comunicou o problema, mas que o juiz de cadeira não acreditou nela. Sharma acabou perdendo um game no início do terceiro set por causa do erro da marcação e foi derrotada pela italiana Giulia Gatto-Monticone por 4/6, 7/5 e 6/1 após 2h23 de partida.

"Para as pessoas que dizem que eu deveria saber a pontuação, aqui está o que aconteceu comigo: Quando estava com 40-15, pensei que havia vencido o game, mas quando perguntei ao árbitro, ele disse que não. Achei que eu tivesse contado errado, o que pode acontecer quando estou tão concentrada no jogo, então geralmente confio nos árbitros", escreveu Sharma em seu perfil no Twitter.

"Eu estava desorientada e confusa, tentando me lembrar de quais pontos eu tinha vencido. Mas depois que ele deu o game para a minha adversária, eu sabia que alguma coisa estava errada", afirma a jogadora de 25 anos e 134ª do ranking. "Eu sabia que não tinha perdido tantos pontos. Tentei discutir com o árbitro, mas ele disse que não conseguia se lembrar de como foram os pontos, e como eu também não, não havia nada que ele pudesse fazer".

"Eu só conseguia lembrar que ela cometeu dois erros não-forçados, jogando a bola além da linha de base. Mas ele e a minha adversária disseram que eu supostamente errei duas devoluções com o backhand e cometi um erro de forehand. Não pude me defender porque não tinha como contar a eles como ganhei o resto dos meus pontos", afirmou a australiana, acusando também sua adversária.

"Eu sabia que algo estava errado e então pedi um replay do vídeo. O árbitro disse que não havia nenhum. Pedi para falar com um juiz de linha que havia marcado as minhas bolas fora, mas ele disse que não seria possível e ainda me pressionou, dizendo que não poderia atrasar o jogo se não tivesse provas. Eu estava começando a ficar louca e duvidar de mim mesma porque os dois pareciam se lembrar de coisas que eu não conseguia. Eu não sabia o que fazer, tudo que pude dizer a um supervisor foi que pensei ter vencido o game, mas não tinha como provar. Eu me sentia totalmente impotente".

Veja o vídeo e relembre o caso

O incidente aconteceu quando o terceiro set estava empatado por 1/1 e a italiana enfrentava um 0-30 em seu saque. O árbitro de cadeira desceu para conferir uma marcação na quadra, que seria mais um ponto de Sharma. Quando voltou à sua posição, o juiz se atrapalhou com a marcação. Pensando que estivesse 30-0 para a sacadora, em vez do correto 0-30, ele anunciou 30-15.

Apesar da situação confusa, as tenistas continuaram o game sem maiores contestações. No ponto seguinte, Gatto-Monticone fez o ponto que seria o de 15-40, mas o árbitro seguiu anunciando o placar errado e disse 40-15. O jogo seguiu e Sharma fez mais um ponto, que renderia à ela uma quebra de serviço no início, mas a confusão do árbitro fez com que ele anunciasse o placar de 40-30. A italiana, então, fez mais um ponto e fechou o game, segundo as contas do árbitro, passando a liderar por 2/1. A partir de então, Sharma não conseguiu vencer mais nenhum game na partida e Gatto-Monticone dominou o terceiro set.

Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva