Notícias | Dia a dia
Ex-namorada faz nova acusação contra Zverev
26/08/2021 às 18h30

Olga Sharypova, ex-tenista juvenil, relatou episódios de violência ocorridos durante o Masters 1000 de Xangai de 2019

Foto: Arquivo

Nova Jersey (EUA) - Na mesma semana em que a ATP anunciou uma revisão abrangente de seu regulamento, em busca de maior autonomia para investigar e, eventualmente, punir na esfera esportiva casos de violência doméstica, surgiram novas acusações conta Alexander Zverev, número 4 do mundo. Ex-namorada do alemão, a russa Olga Sharypova deu entrevista para a revista norte-americana Slate em que relatou novos casos de agressão física e verbal por parte de Zverev, durante o período em que eles se relacionavam.

Segundo Sharypova, o novo caso de violência aconteceu durante o Masters 1000 de Xangai de 2019 e teria sido a última vez que a Zverev a agrediu. Em outubro do ano passado, ela já havia falado abertamente à revista norte-americana Racquet sobre outros três casos, o primeiro no apartamento do alemão em Mônaco, o segundo durante o US Open de 2019 e o terceiro em um quarto de hotel em Genebra, onde foi disputada a Laver Cup da mesma temporada.

Assim como já havia declarado no ano passado, a russa diz que não quer nada de Zverev e que não tem o intuito de prejudicá-lo ou de buscar uma punição para o tenista, mas que espera que sua história possa conscientizar outras pessoas vítimas de relacionamentos abusivos. "Muitas meninas nesta situação ficam em silêncio. Eles não falam sobre isso porque têm medo dos comentários", afirmou. Outro entrave para a ex-jogadora se ela procurasse a Justiça seria a dificuldade com relação às jurisdições do caso, por ela ser russa, ele alemão, e os relatos de violência terem ocorrido em Mônaco, Estados Unidos, Suíça e China. 

+ Sharypova detalha e reforça acusação contra Zverev
+ Zverev volta a dizer que ex-namorada está mentindo

Em Xangai, Sharypova estava na companhia de uma amiga mais velha do casal que havia convencido os dois a se reconciliarem mesmo após os primeiros casos de violência. "Ele realmente se acalmou e se controlava mais. Eu só pensava: Ok. Agora podemos viver juntos. Eu me sinto mais protegida e mais segura", disse em entrevista ao jornalista Ben Rothenberg.

No entanto, o casal teve uma nova discussão depois da partida de Zverev contra o francês Jeremy Chardy pelo torneio chinês. O alemão teria sessões de treino e recuperação, enquanto sua namorada foi a um salão de beleza, o que teria irritado o tenista. "Ele começou a me mandar mensagens dizendo: 'Por que você não está aqui? Por que está no salão? Você não me ama?'". Quando ela voltou ao hotel, Zverev saiu imediatamente. "Ele me disse: 'Eu estava esperando por você, agora é você quem vai esperar por mim'. Eu sabia que quando ele voltasse teríamos outra briga e eu não queria isso. Pedi ajuda e a compreensão dele, mas não obtive nada".

Ela diz ainda que sugeriu terminar o namoro e voltar para Moscou, mas Zverev não aceitou, dizendo que isso afetaria seu desempenho na próxima partida. "Eu estava no quarto sozinha, pensando sobre tudo isso. Queria apenas pegar minhas coisas e ir embora, mas não sei para onde e nem o que deveria fazer. Estava muito nervosa, e não pensei muito", explicou a russa, que então tentou pela segunda vez se matar com remédios, repetindo o que havia acontecido em Genebra. "Quando ele voltou e percebeu o que aconteceu, começou a gritar comigo: 'Se você morrer no meu quarto, será um grande problema para mim. É realmente uma grande responsabilidade para mim'".

A discussão teria continuado no dia seguinte, quando Zverev jogaria contra Andrey Rublev pelo torneio, e evoluiu para violência física. "Eu chorava todos os dias, dizia que não queria mais continuar vivendo, mas ele continuava me culpando e dizendo que era a vítima da situação. Quando eu estava tomando banho, ele veio e disse: 'Arrume suas coisas agora e vá embora', lembrou Sharypova. "Eu falei: 'Ok, você pode esperar alguns minutos, por favor? Então ele me atacou com mais violência do que antes, me agarrou pelo pescoço e empurrou contra a parede do banheiro e começou a me dar socos". Sharypova disse que tentou se afastar Zverev da melhor maneira possível. "Eu só estava tentando me proteger. Eu estava nua, sou uma mulher e não tenho muita força. E depois do meu banho, não tive nem tempo de pegar minhas roupas. Não me senti segura por um segundo".

"Ele começou a me dizer estas coisas: 'Espero que você morra, você deveria ter morrido ontem, mas não no meu quarto. Se você quer morrer, pode tomar insulina e ir morrer na rua porque não quero problemas. Eu não quero mais lidar com você", ela lembrou. "Eu estava chorando e não podia mais ouvir aquilo, não aguentava mais", relatou a russa, que se trancou no banheiro quando Zverev saiu para fazer uma chamada telefônica. Ela diz ainda que o pai do tenista, Alexander Zverev Sr. também a ameaçou: "Você tem até a noite para arrumar suas coisas. Se não for embora, vou processá-la. Você é um lixo. Não precisamos de você'".

Russa apresentou fotos com marcas de violência pelo corpo

Sharypova enviou mensagens para os amigos com fotos das marcas de violência no rosto e nos braços. Além disso, a amiga mais velha do casal (que não teve o nome revelado na matéria) preferiu que ela não fosse diretamente para a Rússia: "Mesmo que ela tivesse companhia, não tinha certeza se ela estaria protegida de si mesma", comentou a mulher, que ficou cuidando dela durante dois meses. "Também me senti responsável, porque fui eu quem a empurrou de volta para ele em Nova York". Atualmente com 24 anos, Sharypova voltou a viver em Moscou apenas no início deste ano, e tem o acompanhamento psicológico para lidar com o caso.

A ex-tenista juvenil e que também já fez trabalhos como modelo revelou ainda que teve dificuldades para ser aceita em grandes empresas em seu país, por conta da repercussão do caso, mas que está atualmente empregada. "Na Rússia, as empresas estão sempre verificando você. Então, quando viram as minhas entrevistas, contando minha história para o mundo, diziam: 'Essa menina tem muitos problemas, ela não'. Mas agora, estou trabalhando para uma boa empresa com ótimas pessoas. Não quero dizer onde estou trabalhando, mas gosto do meu trabalho".

Zverev nega as acusações desde o ano passado
Zverev respondeu às primeiras acusações de Sharypova publicamente em 29 de outubro de 2020. Em uma postagem no Instagram, ele disse que as alegações eram "infundadas" e "simplesmente falsas". E nas entrevistas coletivas nos dias que se seguiram, enfatizou que o caso não o afetava.

"Sempre vão existir pessoas que tentam ter colocar para baixo quando você está no topo. Eu tenho que me ater ao meu ponto inicial de que elas alegações são simplesmente falsas e continuar a negá-las. Fico triste com o impacto que isso possa ter no esporte, no mundo exterior, e em mim também. Eu realmente peço desculpas porque o foco tenha saído do esporte. Todos nós amamos jogar tênis. É para isso que estamos aqui".

Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva