Notícias | Dia a dia
Carreño: 'Tive que ser positivo e lutar até o fim'
14/08/2022 às 12h54

Carreño Busta venceu um duelo de 3h contra Daniel Evans na semifinal

Foto: Mike Lawrence/ATP

Montréal (Canadá) - Pela primeira vez em sua carreira profissional, Pablo Carreño Busta disputará uma final de Masters 1000. E para garantir seu lugar na decisão em Montréal, o experiente espanhol de 31 anos e atual 23º do ranking precisou vencer uma batalha de 3h na semifinal contra o britânico Daniel Evans. A vitória poderia ter sido mais tranquila, já que Carreño Busta teve um match-point no segundo set, e por isso foi importante evitar pensar negativos e continuar lutando.

"Essa era uma partida muito importante para mim. Passei por um momento muito difícil quando perdi o match-point no segundo set, mas tentei continuar positivo. Sabia que teria outras chances e finalmente consegui", disse Carreño Busta após a vitória por 7/5, 6/7 (7-9) e 6/2 an semifinal contra Evans.

"Era muito importante continuar lutando o tempo todo. Sei que Evans é um grande adversário. É muito difícil jogar contra ele. Ele tem um slice de backhand muito bom. Eu não me sentia confortável jogando contra ele", avaliou o espanhol. "Eu estava um pouco nervoso no começo do jgo, mas acho que fiz uma boa partida e fui muito sólido desde a linha de base, tentando ser agressivo o suficiente".

No caminho até a final, Carreño Busta passou por nomes como os italianos Matteo Berrettini, Jannik Sinner, além do dinamarquês Holger Rune e o britânico Jack Draper. "Eu estava jogando muito bom nível durante toda a semana. Contra o Draper, eu talvez eu sofri um pouco mais no primeiro set, mas hoje eu tive que sofrer muito. Era importante estar o tempo todo lutando, o tempo todo sendo positivo. Mentalmente foi a chave do jogo".

Carreño já havia disputado duas semifinais de Masters 1000, a primeira em 2017 em Indian Wells e a segunda no ano seguinte em Miami. Vencedor de seis títulos de ATP, ele está em sua 12ª final no circuito. "Fiz duas semifinais antes, quatro e cinco anos atrás. É muito importante para a minha confiança estar novamente numa final. Provavelmente este ano não joguei o meu melhor tênis. Vou tentar fazer o meu melhor para ganhar".

O adversário de Carreño Busta na final será o polonês Hubert Hurkacz, número 10 do mundo. O histórico de confrontos está empatado por 1 a 1. "Eu joguei algumas vezes contra ele. Sempre foram partidas difíceis. Lembro-me que no ano passado joguei a final em Metz. Perdi em dois sets, mas 7/6 no primeiro. Na outra partida que fiz com ele, ganhei com dois tiebreaks".

"É muito difícil devolver o saque dele. Não sei se alguém já conseguiu durante essa semana. Preciso ter muito cuidado comigo mesmo novamente, tentar pressionar os saques dele e esperar para jogar uma das minhas melhores partidas no circuito".

Comentários
Loja - camisetas
Suzana Silva